Saint-Gobain: três horizontes rumo à neutralidade carbónica

Saint-Gobain: três horizontes rumo à neutralidade carbónica
Jéssica Barreto
Coordenadora de Projetos Técnicos e Sustentabilidade da Saint-Gobain Portugal

A Saint-Gobain Portugal, que comercializa as marcas Isover, Placo e Weber, definiu metas bem claras na sua trajetória de sustentabilidade, metas essas que envolvem a poupança de recursos, mas também o desenvolvimento de novos produtos com foco na economia circular.

Consciente do seu impacto sobre o ambiente e da necessidade urgente de combater as alterações climáticas, o Grupo Saint-Gobain definiu objetivos com três horizontes: assim, de acordo com a coordenadora de Projetos Técnicos e Sustentabilidade, Jéssica Barreto, até 2025, compromete-se em reduzir 20% das emissões de CO2, 80% das descargas de água e 50% dos resíduos; até 2030 irá baixar 49% das suas emissões de CO22 (33% de emissões diretas provenientes do fabrico de produtos e 16% de emissões indiretas que ocorrem ao longo de toda a cadeia de valor); sendo que, em 2050, pretende alcançar a neutralidade carbónica. 

Quanto à proteção de recursos, prossegue, a Saint-Gobain compromete-se, até 2025, em reduzir 80% das descargas de água e 50% dos resíduos, enquanto até 2030 pretende cortar em 50% a captação de água industrial, desenvolver embalagens recicláveis para todos os seus produtos, diminuir em 80% os resíduos não recuperados, evitar a extração de 30% de matérias-primas virgens, incorporar mais de 30% de conteúdo reciclado nas suas embalagens, emitir análises de ciclo de vida para 100% dos seus produtos, e em 2050 alcançar a neutralidade carbónica.

A porta-voz da empresa adianta que o grupo  tem tomado diversas medidas para reduzir o impacto das suas atividades e desenvolver soluções mais sustentáveis no setor da construção. E concretiza: “Implementou um sistema de monitorização para avaliar como pode melhorar a eficiência das suas máquinas e edifícios; alterou o consumo para energia 100% verde e vai aumentar o número de painéis fotovoltaicos instalados para o limite permitido; tem procurado, cada vez mais, disponibilizar produtos mais sustentáveis pelo processo de produção e pela incorporação de matérias-primas recicladas na sua composição, de que é exemplo a reformulação da nova gama de colas da Weber.”

Os produtos da gama webercol passaram, assim, a ser mais sustentáveis, uma vez que são formulados a partir de matérias-primas recicladas, provenientes de outras indústrias, revalorizadas pelo novo uso através da incorporação parcial em argamassas.  “Num primeiro ano, a Weber conta poupar mais de 2.200 toneladas de matérias-primas virgens com a gama de colagem de cerâmica webercol. Adicionalmente, no caso da Isover, a lã de vidro para isolamento é feita a partir de uma combinação de areia e vidro reciclado que pode ir até aos 80%, resíduos que, de outra forma, iriam para o aterro”, enquadra a coordenadora de Projetos Técnicos e Sustentabilidade.

Partilhe

Talk

A sustentabilidade como motor de inovação e empreendedorismo

Edição

A sustentabilidade como motor de inovação e empreendedorismo

Receba em exclusivo o 2050

Newsletters, Talks, Edições, Podcasts sobre Sustentabilidade, Eficiência, Inovação, Mobilidade e Pessoas.