Em 2050, a nossa boa Natureza está de volta

Em 2050, a nossa boa Natureza está de volta
Nuno Gaspar de Oliveira
CEO da NBI – Natural Business Intelligence

Não sei se em 2050 ainda vão existir muitas das marcas de referência de 2022, mas é possível que uma das ‘sobreviventes’ seja a Patagonia, uma marca de equipamentos desportivos que, desde a sua fundação, aposta em sustentabilidade – na prática.

O seu fundador, Yvon Chouinard, terá dito que “um regresso a uma vida mais simples não é um passo atrás”. Resta saber quantos passos na direção certa teremos dado para chegar (bem) a 2050. Na minha opinião, iremos chegar longe, com um planeta mais vivo e uma sociedade mais próspera se:

  • Resolvermos as ‘crises gémeas’, a climática e a ecológica. Temos de ligar os objetivos das COP Biodiversidade e COP Clima: é virtualmente impossível resolver problemas complexos sem compreender a sua real dimensão e interligação. A gestão de ecossistemas emerge como a possível grande “nature-based solutions” para os mega “human-made-problems”;
  • Reformarmos a economia no sentido de criar/recuperar/transformar empresas e empregos através da bioeconomia circular. Existe um potencial enorme na valorização do capital natural, quer marinho como terrestre, para vias tão diversas como os bio-based products para transformar e fazer o ‘green detox’ nos sistemas agrícolas, assim como na área das novel foods, cosmética e wellness e, claro, novos biocompostos para a indústria farmacêutica e espacial (‘ground control to Major Tom’);
  • Promovermos a descentralização política, social e económica dos territórios do interior de Portugal continental e ilhas, pois se há algo que as crises sanitárias, humanitárias e financeiras recorrentes que caracterizaram os ‘loucos anos 20’ do século 21 mostraram é que vão ser necessários novos e reais incentivos à descentralização para promover territórios com excelentes condições potenciais, valiosos em capital natural, mas que se arrastam penosamente num limbo por ainda acreditarem numa economia do século 20;
  • Apostarmos no real valor natural na economia: chega de olhar para o investimento em ambiente e Natureza como custos só porque somos demasiado limitados a fazer contas, faz zero sentido assumir que ‘é só despesa’ colocar dinheiro em restauro de ecossistemas, recuperação da biodiversidade, de estruturas ecológicas ou conversão de áreas florestais e agrícolas estoiradíssimas por más práticas de gestão e escolhas discutíveis (das quais nunca deduzimos os custos ambientais reais). Os (bons) analistas sabem que existe uma grave falha técnica na maioria dos instrumentos de análise económica e financeira. Somos os nossos maiores inimigos se continuarmos a valorar em zero (ou abaixo disso) todos os bens e serviços que os ecossistemas nos dão ‘de borla’, pois isso só irá acelerar e agravar o colapso ecológico e a desregulação climática.

Como alegadamente terá sido dito por Bill Gates, há tanto ou mais dinheiro a ganhar a restaurar e recuperar o planeta como a consumir até ao limite aquilo que ainda temos; é mesmo tudo uma questão de escola política, social e ética. Duvido que Bill Gates ainda esteja por cá em 2050, mas espero que esta ideia se tenha tornado ética presente para todos os que aí chegarem.

Partilhe

Talk

Que energia para uma Europa em guerra, que expectativas face a um futuro incerto?

Edição

Que energia para uma Europa em guerra, que expectativas face a um futuro incerto?

Receba em exclusivo 0 2050

Newsletters, Talks, Edições, Podcasts sobre Sustentabilidade, Eficiência, Inovação, Mobilidade e Pessoas.