Economia circular: empresas portuguesas com longo caminho a percorrer

Economia circular: empresas portuguesas com longo caminho a percorrer
Luísa Magalhães
Diretora executiva da Associação Smart Waste Portugal

A economia circular em Portugal está aquém da média europeia, com uma taxa de apenas 2,2% em 2020. Isto mostra, de acordo com a diretora executiva da Associação Smart Waste Portugal, Luísa Magalhães, que ainda há um longo caminho a percorrer. E ajudar as empresas nessa jornada é o objetivo do projeto “Be Smart – Be Circular”, sobre o qual escreve em exclusivo para o 2050.Briefing.

“O Circularity Gap Report lançado em janeiro de 2018 ditou que apenas 9,1% da economia mundial era circular, sendo a tendência atual de descida, fixando-se o valor nos 8,6% em 2020. Segundo o Eurostat, Portugal teve em 2020 uma taxa de circularidade de 2,2% (média europeia de 12,8%). Isto mostra que ainda há um grande percurso a fazer nesta temática nas empresas em Portugal.

É cada vez mais urgente que haja uma mudança de paradigma e que a economia se torne mais circular, uma vez que este modelo económico pode satisfazer as necessidades da sociedade, através do uso menos intensivo de recursos, uma menor produção de resíduos e, consequentemente, da diminuição das emissões de gases com efeito de estufa.

A Associação Smart Waste Portugal pretende criar condições para apoiar na transição para uma economia circular dos seus mais de 140 associados, bem como reforçar a capacidade de reação a fatores nacionais e internacionais de uma forma competitiva, atuando em diferentes cadeias de valor, através de uma estratégia colaborativa, focada na inovação, no I&D, na implementação de soluções e na geração de novos negócios.

A ASWP promoveu o Projeto Be Smart – Be Circular, cofinanciado pelo COMPETE 2020, com a missão de tentar preencher lacunas já identificadas ao nível da capacidade das empresas nacionais, nomeadamente das PME, em conceber e implementar medidas para a sua transição circular. O projeto, que terminou recentemente, teve como objetivo estratégico sensibilizar, dinamizar e capacitar as empresas nacionais, dotando-as de conhecimento, informação e ferramentas que contribuam para a transformação empresarial para o modelo de Economia Circular, destacando-se as seguintes atividades:

  • Guia de Boas Práticas Circulares para os Serviços, ferramenta prática que apresenta uma série de recomendações simples que podem ser aplicadas transversalmente;
  • Estudo para avaliação do potencial da desclassificação de resíduos, que pretende apoiar a indústria no processo de desclassificação de resíduos, potenciando as simbioses industriais e uma maior circularidade;
  • Workshops de EcoDesign Circular, dado que o EcoDesign Circular pretende prolongar o tempo de vida útil dos produtos, potenciando a sua duração, reutilização, reparação e valorização, pelo que é fundamental capacitar para esta temática;
  • Plataforma myWaste, uma plataforma online para alojamento e partilha de resíduos/subprodutos/FER, passíveis de serem valorizados, promovendo a criação de uma rede de negócios Business to Business, de âmbito nacional.

Muitas empresas já trabalham as temáticas da economia circular no seu dia a dia e dinamizam muitas ferramentas que consideramos importantes serem conhecidas, mas há um longo caminho a seguir e é preciso o contributo de todos os elos da cadeia de valor, da academia, das associações, das ONG, entidades governativas e dos consumidores.”

Partilhe

Talk

Que energia para uma Europa em guerra, que expectativas face a um futuro incerto?

Edição

Que energia para uma Europa em guerra, que expectativas face a um futuro incerto?

Receba em exclusivo o 2050

Newsletters, Talks, Edições, Podcasts sobre Sustentabilidade, Eficiência, Inovação, Mobilidade e Pessoas.